Beco das Cores Trident é marcado por tranquilidade e atrações de renome

 

Espaço promovido pela Prefeitura funciona até esta terça-feira (28), no na Rua Dias D’Ávila, na Barra (Circuito Dodô)

 

O público LGBT tem ocupado cada vez mais espaço no Carnaval de Salvador. Esse é o segundo ano que o segmento conta com o Beco das Cores, local temático com atrações especiais compostas por muita música eletrônica. As apresentações acontecem sempre na Rua Dias D’Ávila, também conhecido como Beco da Off, com patrocínio da Trident. Nesta terça-feira (28), a programação no local será encerrada com a Festa da Gambiarra, a partir das 19h.

 

O espaço foi pensado pela Prefeitura, por meio da Empresa Salvador Turismo (Saltur) para unir a diversidade, marcando o caráter democrático do Carnaval de Salvador. Lá, os DJs reproduzem sucessos da música eletrônica nos intervalos dos blocos. Além disso, atrações de renome e que estão na lista de preferências do público LGBT também se apresentam no local. Um exemplo é o cantor Liniker, que deu um show com composições que mesclam black music e soul na segunda-feira (27). Outro destaque foi a rapper Karol Conká, que levou a plateia ao delírio na última sexta-feira (24), com o sucesso “Tombei”.

 

Tranquilidade – Segundo o presidente do Grupo Gay da Bahia, Marcelo Cerqueira, os gays têm encontrado um carnaval mais tranquilo. Até o momento, Cerqueira diz não ter recebido denúncias e também não soube da existência de ocorrências. “Em geral, os foliões estão acostumados com a nossa presença, e em consequência disso, os gays estão cada vez mais presentes no carnaval e sem medo de exibir a sua opção sexual”, afirma. 

Para ele, a existência de um Centro LGBT no Observatório da Secretaria Municipal de Reparação tem ajudado a reduzir o número de casos. “Agora as pessoas sabem que estão sendo observadas e o público, que tem com quem contar”, opina. Mesmo diante da tranquilidade, Cerqueira recomenda que gays, lésbicas, bissexuais e travestis evitem usar acessórios caros na folia. Caso sejam vítimas de algum tipo de agressão, registrem a queixa na delegacia mais próxima e, em seguida, façam a denúncia ao Grupo Gay.

FONTE: SECOM